quinta-feira, 13 de novembro de 2008

A polêmica de Philip Pullman

"Estou tentando minar os alicerces das crenças cristãs."
Philip Pulman
É com esta frase que inicio o post mais polêmico do blog até hoje, Não sei se tenho um público para isso, mas estou com tanta vontade de comentar este tema que não consigo resistir.
A quase um ano, minha namorada e eu fomos assistir ao filme Bussola de Ouro, que chamava a atenção por ter cenários lindos, um urso polar guerreiro e uma garotinha como protagonista. Pois então resolvi ler o livro e descobri que eram OS livros, já que se tratava de uma trilogia. Me lembro que antes do filme ser lançado foi criada uma forte polêmica sobre ele, a Igreja tentava de toda forma impedir que o filme fosse exibido, mas eu não tinha visto nada demais no filme até então. Até ler os livros e entender o medo da Igreja.
O que vou comentar a seguir estraga boa parte da história dos próximos filmes, portanto, só leia se realmente for curioso o suficiente para isso.
Ao ler os livros, principalmente o segundo (A Faca Sutil) e o terceiro (A Luneta de Âmbar), percebi que o autor, Philip Pullman comete um erro gravíssimo para um escritor: ele cria um personagem e o usa como porta-voz de suas idéias de maneira muito explícita. A história da trilogia Fronteiras do Universo é boa, bem tramada e com personagens carismáticos como os protagonistas Lyra e Will. Mas em um momento ela se perde nas fortes críticas que o autor tem sobre Deus e a Igreja. Para vocês terem uma idéia o pai de Lyra, um homem arrogante e pretencioso, tem como objetivo matar a Autoridade (Deus). O mundo dos mortos é uma prisão escura, onde os espíritos são torturados por Harpias. Isso sem falar as inúmeras vezes em que os personagens fazem críticas a fé, críticas que as vezes parecem forçadas.
Tudo bem o cara ser ateu, ele tem direito. Não vou ser um fanático religioso, não vou condená-lo por isso, não tenho esse direito. Acho um erro ele querer pregar suas idéias através dos personagens. Ele mesmo é publicamente crítico às obras tanto de Tolkien (O Senhor dos Anéis) quanto de Lewis (As Crônicas de Nárnia) por acusá-los de promover o Cristianismo, mas ele têm o direito de bombardear a cultura Cristã através das suas?
Apesar de tudo, aconselho as pessoas a lerem os livros. Aceitar ou não as idéias do autor é uma decisão sua, acho legal ter uma mente aberta, ouvir outras opiniões. Diferentemente do que pensa Philip Pullman, sou cristão, mas não sou ignorante nem cego.
“Os homens (…) desejosos de ouvir novidades, escolherão para si uma multidão de mestres, ao sabor de suas paixões e hão de afastar os ouvidos da verdade, aplicando-os às fábulas”.
2ª Carta a Timóteo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.