quinta-feira, 9 de abril de 2009

A cultura dos derrotados


Há algum tempo recebi esse selo da Lari, comentadora assídua aqui do Clube, que traz um tema interessante: Blog também é Cultura. É sim. Aliás, sigo a linha dos que pensam que cultura é um conceito muito vasto e que pode ser aplicado a tudo. Usar o lixo é uma cultura. Dizer, ou não dizer, "bom dia" também é. Por que um blog não seria?
Ousando um pouco mais, digo que o espaço cibernético denominado "blog" é um GRANDE centro cultural. Diversos temas. Diversas opiniões. Diversas contradições. Tudo isso compõe esse universo blogueiro, tão significativo nesse mundo globalizado.



Normalmente quando falamos de cultura nós logo pensamos em livros. Ler é um exercício fantástico, porque além de absorver as informações do autor você também trabalha o seu vocabulário, trabalha sua concentração. Que lê, geralmente, escreve bem. Desenvolve com mais facilidade a composição de um texto.
Pois bem, chega de enrolação. Vamos ao que interessa nesse post.
Atualmente estou lendo um livro fantástico. Um livro que deveria ser lido por todos latino-americanos, aliás por todo mundo. "As Veias Abertas da América Latina" de Eduardo Galeano é o livro de cabeceira de todo revolucionário. Já tinha escutado alguns comentários sobre ele, mas não tinha a coragem necessária para encarar a leitura. Mas fui obrigado por um professor. E agradeço até hoje.
Não, você não vai ouvir belas histórias. Vai se revoltar. Vai descobrir que o enriquecimento dos países ricos é, em grande parte, fruto da exploração sobre os mais pobres. Claro que você já deve ter ouvido esse discurso, só que dificilmente se aprofundou nos argumentos. Eduardo Galeano traz fatos absurdos, coisa que a escola não ensina (por que será?), verdades que ignoramos, mas que precisam ser reveladas.
A América Latina foi a descoberta das descobertas. A Europa era um continente velho, com o solo desgastado. Não havia ouro, não havia prata e nem diamante. Tudo era escasso. Eis que Cristovan Colombo (pintado como herói por alguns) descobre, sem querer, uma terra fértil e cheia de riquezas naturais.
Não foi difícil invadir, não houve resistência. Alguns índios foram cruelmente assassinados. Outros foram explorados de forma desumana. Assim começava a América Latina, o mercado livre dos países ricos. O tempo passou, a colonização continuava. Portugal, Espanha, Inglaterra, Holanda, Estados Unidos... Alguns dos maiores beneficiados. Digamos que, de certa forma, até hoje somos colônia.
Eles cresceram ricos, desenvolvidos, com técnologia. E nós? Nós nascemos pra perder. Vivemoss em uma ignorância não permite uma evolução. Escolhemos os vilões errados e esquecemos rápidamente o que aconteceu e fingimos não ver o que acontece. Nosso solo foi manchado de sangue de gente inocente. Mas insistimos em aplaudir o desenvolvimento deles, mesmo que seja a custo da nossa pobreza desgraçada. Porquê?
Por isso indico esse livro. É uma viagem na história. O autor é um jornalista confiável, que traz diversas fontes para embazar seus argumentos. As explicações para muitas coisas que não entendemos está nessa leitura. Para levantarmos é preciso saber a causa da nossa queda.
Boa Páscoa a todos.
Ta tocando no iPod: Because The Night - 10,000 Maniacs

17 comentários:

  1. Acho que vou A-D-O-R-A-R esse livro! Apesar de saber que a revolta vai ser extrema (porque eu sempre me revolto com essa exploração), quero muito ler. Ter argumentos para mostrar aos outros a dimensão do sofrimento daqueles que perdem pros ricos.
    Ah Fábio, perdão. Tô péssima até pra cometar hoje!
    Brigada por lembrar de mim!
    Feliz Páscoa!
    BEijo;*

    ResponderExcluir
  2. fabiooo
    só pra deixar registrado que passei por aquii e lii \o/
    aheuaheuae
    te amooo

    ResponderExcluir
  3. Cara, quanta coisa para falar em um único post! Primeiro, preciso dizer que é por causa de momentos como esse que seu blog tem um dos melhores conteúdos por aí. Segundo, fiquei curioso para ler o livro, mas estou tão atrasado com os que comprei recentemente que vai ficar para depois. Mas tá na lista!

    Agora, comentando sobre essa questão da exploração, de fato a gente sempre ouve esses argumentos, mas normalmente em protestos com tão pouca credibilidade e nenhum argumento racional! Acho que quem quiser abrir os olhos do restante para esse tipo de coisa precisa de uma organização melhor. Me desculpe me prender a detalhes, mas não consigo sentir antipatia por Cristóvão Colombo depois de assistir "1492 - A Conquista do Paraíso". Quando leio seu nome, já me vem na cabeça a imagem de Gerard Depardieu.

    Mas enfim, excelente postagem. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Já vi esse filme, realmente fica difícil odiar Colombo pois ele é pintado como um herói carismático e os índios são criaturas montruosas que matam sem necessidade...

    Eu acreditava nessa história..acreditava

    ResponderExcluir
  5. Li o livro durante minha graduação. Concordo contigo: é revoltante. Quinhentos anos de pura exploração e miséria. Por mais que conheçamos de cor e salteado toda essa história, lendo o livro, encontramos um continente sofrido, humilhado e oprimido; suas contradições e paradoxos...

    Grande indicação!

    Passa lá no "Diz"!

    www.marcelo-antunes.blogspot.com

    Sucesso!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Fábio!

    Você sempre com textos e comentários inteligentes!

    Muito obrigado pela visita!
    Uma Feliz Páscoa! Felicidade!

    Abração. Te espero por lá!

    Pedro Antônio

    ResponderExcluir
  7. uma idéia interessante, mas...
    Portugal, Espanha, Inglaterra, Holanda... e EUA? EUA foi tão colônia quanto nós; só não era interessante para ser colonizada, e por isso se desenvolveu. Claro que não defenderia aquela terra de exploradores capitalistas, mas não acho que eles possam ser considerados metrópoles.

    Grande abraço, ótimo post.

    www.tenhamuitocuidado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Cara, valeu pelo comentário lá no "Diz"! Depois passa lá! Tem postagem fresquinha esperando...


    Boa Páscoa!

    ResponderExcluir
  9. Grande comentário Lucas! Exatamente
    Os EUA não foram colonizados e tudo deu certo pra eles porque eram um lugar sem NADA. Nada pra explorar, era um refúgio de britânicos mal amados. No entanto, como um país sem NADA se tornou potência mundial? Explorando.

    A colonização é algo extenso, acontece até hoje. Os EUA se tornaram metrópole a partir de sua idependencia, tanto que arrogantemente se autodenominaram "americanos" por acharem que a América pertencia a eles. Sem recursos eles sugaram daqui...

    abraço e valeu pelo comentário

    ResponderExcluir
  10. Olhei teu texto muito grande e deu preguiça de ler, desculpa.
    Feliz pascoa e sucesso!

    SINCERIDADE acima de tudo!

    ResponderExcluir
  11. publiquei, afinal, ler é uma questão de hábito...uns tem outros não

    ResponderExcluir
  12. Também considero blog como cultura, é claro, que como tudo na vida, existem as exceções, mas nos blogueiros conquistamos um espaço importante na mídia, os jornalistas que se cuidem rsrsrrsr.

    ResponderExcluir
  13. valeu elo comentario sempre que puder dou uma passda por aqui http://rodyjucy.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Sim, parece uma ótima leitura. No momento, contudo, estou meio que entalado no mundo literário, se é que me entende. É tanta coisa nesse ano de vestibular, que fica difícil ler o que quero.

    Acabei de ler "Calabar", do Chico Buarque e Ruy Guerra, (que, aliás, recomendo). É da lista de obras obrigatórias do vestibular, que eu já tô lendo. É que, nesse ano, quero tudo muito bem lido e relido.

    Quero crer, contudo, que vai sobrar um tempinho. Nas férias de Julho, quem sabe. Aí, vou tentar ler o livro que seu post sugere.

    Quanto ao selinho, meus parabéns. Blog, com toda certeza, é cultura. Em dois anos, aqui, aprendi muita coisa!

    Até.

    ResponderExcluir
  15. Nunca vi dessa maneira, mas realmente foi a maior descoberta mesmo.

    ResponderExcluir
  16. Falamos de cultura a todo momento e somos as criaturas mais sem cultura. hahaha :]
    Cultura vem através de originalidade dos povos... Onde nós somos originais?
    Tentamos ser iguais aos outros a todo momento.
    ler é cultura porque nos remete a mundos que nós nem sempre queremos imitar. que seja.

    _
    Um texto com um título esnobe faz toda a diferença.

    ResponderExcluir
  17. Depois de muito tempo o frango retorna para ler o blog do camaleão...

    O livro já tá registrado nas próximas leituras. Pelo que você falou ele deve ser realmente interessante.

    Mas não me fale em cultura ou conceitos de culturas. Tô traumatizado com uma prova que eu fiz e levei ferro =P

    ResponderExcluir

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.