segunda-feira, 17 de agosto de 2009

No limite da nojeira

Quando foi anunciado a volta de No Limite, eu arrisquei um tímido entusiasmo. Foi o primeiro reality show da TV brasileira, que trazia uma proposta mais interessante que o Big Brother - pelo menos assim pensava. Jurava que iria assistir um programa mais dinâmico, que dava abertura para situações diversificadas.
No entanto, creio que me enganei.
Pra começar, o No Limite as vezes se repete. O cenário é o mesmo da primeira, segunda e terceira edição (aliás, alguém lembra das duas últimas?). Ou seja, uma praia nordestina, muito sol, calor, areia e coqueiros. As provas também são muito parecida, o que torna o programa cansativo pra quem acompanha.
Constantemente tenho a impressão que o No Limite é apenas um BBB em campo aberto, só falta a casa. Se trata de um programa cujo o objetivo é testar os limites dos participantes, tanto físicos como psicológicos, mas a edição insiste em não ressaltar isso e sim dar um enfoque especial as intrigas e complôs que ocorrem no jogo. Isso assitimos de janeiro a março no programa apresentado por Pedro Bial. Falando nisso, tenho que fazer uma pequena crítica a apresentação um tanto quanto robótica de Zeca Camargo. Ele é um grande repórter e apresentador do Fantástico, mas falta algo, um pouco mais de sal para apresentar realitys show (lembram do desastroso "O Jogo"?).
O que quero ver é pessoas preocupadas onde o SOl vai nascer, como vão obter água, quais os bichos mais perigosos da mata. Quero ver pessoas lutando para sobreviver, não apenas em provas programadas, que eles sabem que vão ocorrer e que algo vão ganhar - perdendo ou ganhando. Talvez eu esteja um pouco resmungão (atribuo isso a queda que o blog tem tido), mas vejo o No Limite como algo com um potencial imenso que é pouco explorado.
Nojeiras...
Ontem, presenciei um dos momentos mais nojentos da história da TV mundial. Era o dia da famosa prova das iguarias exóticas. Lá estava novamente os famosos olhos de cabra. Quando vi logo pensei "ohh gente criativa". Mas logo eles iriam me responder e me surpreender, negativamente. Depois dos olhos de cabra, os participantes tiveram que comer peixinhos vivos. Sabe, peixinhos de aquário! Aqueles bonitinhos que enfeitam as salas de estar dos apartamentos. Aqueles que ficamos batendo o dedo no vidro só pra chamar sua atenção.
Sim amigos, esses peixinhos foram comidos vivos.
Já estava com o estômago revirado, quando o nosso amigo Zeca Camargo anunciou o próximo desafio: comer frangos vivos. Frangos que nem tinha nascido! Que estavam nos ovos, esperando nascer! Neste momento os olhos de cabra ficaram parecendo deliciosos, coisa de criança.
Simplesmente sai de frente da tv quando a prova começou. Por que isso? Por quê?
Ta, eu admito que me instinto protetor dos animais fala mais alto. Eu não consigo ver animais sendo mortos ao vivo, mesmo sendo um peixinho ou um pintinho que não nasceu.
Tudo isso por Ibope... Tudo isso pelo maldito Ibope...
Show do Robeto Carlos
Vamos parar de reclamar um pouco...
Ontem pude ver porque o Roberto Carlos é chamado de rei. Poucas vezes fui num show onde o artista fosse tão ovacionado. As músicas são as mesmas, o discursso também, mas o cara tem o poder, tem carisma de sobra! Conquista todo tipo de pessoa, de todas as idades, todos os estilos, todas as culturas. É difícil um artista completar 50 anos de carreira e ser amado como ele é. Ele deveria fazer um ou dois shows aqui em Porto Alegre, ficou uma semana. Você conhece alguém capaz disso? Sem contar a qualidade de sua banda, de sua voz.
Ahh, ver Detalhes tocada no violão por ele é algo impagável! Valeu cada centavo do ingresso.

5 comentários:

  1. No Limite também me decepcionou. O elemento que eu buscava está presente, você até citou. Me refiro ao teste físico, ao esforço das provas e da sobrevivência. Está no programa, mas não com a abordagem que gostaria de ver. É quase um detalhe no show, infelizmente.

    Quanto ao "nojo", só senti na hora dos ovos com os pobres franguinhos dentro. Confesso que ainda tenho uma vontade imensa de experimentar os olhos de cabra e o peixinho não me pareceu tão mau... É partir e engolir! Hehehe!

    ;D

    ResponderExcluir
  2. eu ainda estou enjoada só de pensar em gente comendo peixinhos e pintinhos =x realmente um horror!

    ResponderExcluir
  3. reallity shows pra mim sao todos iguais... e sao todos contra cultura...

    mas se nao for contra cultura nao tem graça neh?

    enfim ...

    tv faz mal pros pensamentos uashuahs

    sobre teu comment no blo da giulliana kkk

    sim as vzs pensamos sim q homens q sorriem pra nos na rua sao tarados uashuahshas..

    bjin
    :)

    ResponderExcluir
  4. "ta, eu admito que me instinto protetor dos animais fala mais alto. Eu não consigo ver animais sendo mortos ao vivo, mesmo sendo um peixinho ou um pintinho que não nasceu.
    Tudo isso por Ibope... Tudo isso pelo maldito Ibope..."

    eu te entendo perfeitamente e sou da mesma opinião....acho que é por isso que evito todo e qualquer tipo de RS....sei lá sempre me decepciono!


    Um dia eu vou num show do RC! Um dia eu vou!

    Ps: Sou nova por aqui e gostei muito do blog!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. ah eu assisti esse capitulo de no Limite tambe,
    confesso que assisti com uma cara de nojo, mas era previsivel que ia ser comidas piores que a outra edição!
    =x

    no inicio estava gostando de ver esta edição de no limite, mas bem como tu disse, as provas se tornando muito repetitivas é tudo a mesma coisa. e que cois mais nojenta nao darem uma simples gilette para as meninas? eles nem estão vivendo no Limite então pelo menos deixem elas fazerem sua higiene descentemente! =O

    e o rei é o rei =x
    só isso que tenho a dizer!
    e nao reclama mais da vida guri!
    euahuiehehe

    beeeeeeeijos!

    ResponderExcluir

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.