segunda-feira, 12 de julho de 2010

Listas - Destaques da Copa

O Clube do Camaleão adverte: O post é grande, mas pode ser lido aos pouquinhos...Vale a pena!
O maior evento do mundo acabou ontem, com um dramático gol de Iniesta, no final do segundo tempo da prorrogação, que deu à Espanha seu tão sonhado título de Campeã do Mundo.
Durante um mês o mundo parou para assistir a competição. Nesse período milhares de comentaristas surgiam, pessoas que nem gostam de futebol começaram a gosta, fizeram apostas, choraram, gritaram, xingaram, se emocionaram, torceram... A Copa do Mundo é fantástica porque ela é capaz de gerar milhões de reações em todo o mundo, no mesmo instante! Ela consegue colocar diversas culturas na mesma sintonia. Qual outro evento é capaz disso?
Esse mês foi marcado por fatos e personagens que incrementaram a história da competição dentro e fora de campo. O Clube resolveu listar os principais destaques e compartilhar isso com seus sócios. Ignore a ordem, pois não há como definir o que foi mais destaque, afinal, se destacaram em momentos distintos e para públicos distintos. Se esquecemos de algo, por favor indique!

A alegria da África

Tudo começou com um memorável show de abertura. Ta, vamos ignorar a inexplicável desafinada da Alicia Keys, vamos lembrar da Shakira cantando Waka, Waka. Do povo feliz por estar vendo de perto, pela primeira vez, o maior espetáculo do mundo. Houve muitas críticas quanto à infra-estrutura das cidades, mas todos destacaram a simpatia e alegria do povo africano. O mundo sorria junto com a África e a África sorria, pois finalmente recebia a atenção do mundo. A África, continente do qual TODOS nós temos origens, continente esquecido, vítima de colonizações predatórias, guerras cruéis, fome, aids.. Continente que mesmo assim sorri, busca ser alegre.
Nos estádios as torcidas rivais compartilhavam o mesmo espaço, todas caracterizadas, não houve registros de violência, apenas a paz foi celebrada. A paz sonhada por Mandela tomou conta dos jogos, a alegria africana contagiou o mundo.

O drama voltou
A primeira rodada da Copa foi tensa. Poucos gols, esquemas fechados. Parecia que iríamos repetir a tediosa Copa de 2006. Felizmente os gols apareceram, alguns bons jogos também. Houve drama nessa Copa, algo que não lembro de ter visto na anterior. Como esquecer da dramática eliminação da Itália? Do jogo entre Espanha e Paraguai onde dois pênaltis foram desperdiçados por cada time? E aquela bola da Inglaterra que entrou contra Alemanha, mas foi ignorada pelo bandeira, decidindo o jogo? E aquele pênalti perdido por Gana, no último minuto da prorrogação contra o Uruguai? Aliás como ignorar a épica jornada do Uruguai, que mesmo limitado ficou em quarto, sendo o melhor sul-americano e ressurgindo para o futebol? Enfim, o drama voltou à Copa. Aquela sensação de apreensão nos jogos decisivos, aquela bola na trave no último minuto ou o gol salvador. Tudo isso tinha desaparecido na Copa da Alemanha, marcada pelos esquemas defensivos e pela cautela...

Os craques sumiram
Quando você pensa em Copa, você imagina um torneio repleto de craques. Jogadores que arrasam na Europa, em seus clubes e que podem decidir uma partida com um lance. A Copa ganhou fama mundial exatamente por ser um torneio capaz de reunir os melhores jogadores do mundo. Mas, onde foram parar os craques nessa Copa? Cristiano Ronaldo não decidiu nada, Messi não fez gol, Etto falou demais e jogou pouco, Rooney mal conseguia correr, Fernando Torres acabou no banco, Kaká naufragou com o Brasil... A Copa foi marcada pela ausência dos talentos individuais, que deram espaço ao jogo coletivo.

Álbum da Copa
Não sei quanto ao mundo, mas no Brasil o álbum da Copa foi um Fenômeno! Sim, com letra maiúscula! Foi muito legal ver crianças, jovens e adultos, aliás, muito mais adultos do que jovens e crianças, colecionando figurinhas. Em Porto Alegre tem uma banca que no final de semana realiza trocas, formando um formigueiro humano. Foi um sucesso! Espero conseguir completar o meu...



Jabulani
Não há como negar que a Jabulani era leve demais, até atrapalhou boas jogadas e resultou em muitos frangos, mas nunca uma bola teve seu nome lembrado e ganhou tanto destaque como ela. Nunca! Alguém lembra do nome da bola de 2006? E da 2002? Desde 1070 as bolas tem nomes, mas só em 2010 uma delas se torna protagonista. Ela foi chamada de tudo, de patricinha, de feia, de sobrenatural, de bola de supermercado e etc. No entanto, foi sucesso de vendas no mundo. Quanto mais criticada ela era, mais era vendida. A Globo foi inteligente, soube usar a fama da bola para criar um bordão na voz do gênio Cid Moreira
(jabulaaaaaaaanii) e colocava sempre que ela desviava sua rota ou era isolada pelo jogador. Sensacional!


Vuvuzela
Costumo comparar o som da vuvuzela a um enxame de abelhas africanas se aproximando. Juro que não entendo como alguém pode achar divertido ouvir abelhas africanas se aproximando, o jogo todo! Muita gente reclamou, estudos comprovaram que ela prejudica a audição, mas não adiantou, do início ao fim tivemos que agüentar essa praga. Os gritos das torcidas foram substituídos por um barulho uniforme, sem graça, mas que, querendo ou não, caracterizou essa Copa. O ponto positivo é que o mundo soube tolerar esse estranho hábito, alguns até aderiram... A polêmica “corneta” se popularizou na África do Sul e já há indícios que elas irão tomar de vez os campos de futebol. Tomara que isso não se concretize...


Larissa Riquelme
O Paraguai fez história ao passar das Oitavas-de-final diante do Japão, o time deveria ser destacado por isso. No entanto, uma torcedora chamou mais atenção da imprensa: Larissa Riquelme. Uma modelo paraguaia que usava decotes insinuantes e tinha a estranha mania de guardar o celular entre os seios. Larissa ainda chamaria mais atenção ao prometer que desfilaria nua pelas ruas se o Paraguai fosse campeão. O Paraguai ficou nas Quartas-de-Final, mas quem disse que ela não tirou a roupa? Depois dela, outras torcedoras surgiram fazendo promessas picantes. Não que isso foi criado por Larissa, mas foi popularizado por ela. Não duvido que a partir de agora teremos um bando de desconhecidas fazendo promessas para aparecerem...


Twitter
Essa foi a primeira Copa do Twitter e não poderia ser melhor. Cada lance era destacado por seus usuários, cada polêmica rendia uma piada ou protesto imediato. Através dele ficávamos sabendo em tempo real os detalhes dos jogos e dos bastidores. Campanhas foram criadas, campanhas que repercutiram e expuseram de foram intensa a opinião pública dos fatos. A interação entre que faz o futebol (jogadores, técnicos, dirigentes, jornalistas, comentaristas e etc) está cada vez mais forte.


Cala Boca Galvão
Essa campanha surgiu no Twitter, mas merece um destaque individual, já que ganhou o mundo. Galvão Bueno é o nosso conhecido narrador, que fala sem parar durante as transmissões, comete muitas gafes na sua ânsia de querer dar o máximo de informação e não esconde de ninguém que é um ufanista. Mas para os estrangeiro, Galvão Bueno se transformou em um pássaro em risco de extinção! Uma brincadeira tipicamente brasileira. A conclusão da história: um aparente grito de protesto transformou-se em uma piada, aderida pelo próprio Galvão (que no início não gostou muito).


Paul, o polvo
Eu fico pensando quem teve a ideia de transformar um polvo em vidente! Bom, o fato é que o molúsculo ganhou destaque mundial ao acertar todos os resultados da Alemanha na Copa. Ganhou ainda mais destaque ao prever a derrota da Alemanha diante da Espanha, fato que enfureceu os alemães que antes idolatravam Paul. Paul terminou a Copa com 100% de aproveitamento e passou a ser uma celebridade, pretendida por muitos apostadores. Infelizmente os polvos vivem pouco tempo e Paul se aposentou com o final da Copa, mas garantiu seu lugar na história da competição.

Os gigantes tropeçaram
A França nem deveria estar na Copa, foi eliminada na primeira fase, desfilando sua habitual arrogância. Ninguém sentiu falta dos franceses, que protagonizaram momentos constrangedores durante sua estada na competição. A Itália, campeã em 2006, não renovou sua equipe, achou que a sorte seria sua parceira outra vez. O Brasil, a sempre temida Seleção, apostou em uma equipe competitiva, mas com poucos talentos. A Inglaterra foi mal, é verdade que foi prejudicada, mas um lance não é desculpa para 4 atuações ruins. Nessa Copa percebemos que os Gigantes do futebol já não podem confiar apenas no seu tamanho...

Maradona
Maradona é um deus para os argentinos, mas eles mesmos não acreditavam no seu potencial como técnico. Mas a Argentina começou a Copa arrasadora, dando espetáculos e calando a boca dos críticos, logo entrou para o grupo das favoritas. Maradona foi se destacando por suas caretas, seu jeito inquieto, suas provocações, seus toques na bola quando ela ia na sua direção... A polêmica anda de mãos dadas com Maradona, que novamente foi amado por uns e odiado por outros, como sempre. Ele adora isso. Como esquecer da polêmica frase antes do jogo contra a Alemanha, atribuída através de um olhar debochado: “Que passa? Está nervoso Schweinsteiger?” Vamos admitir, Maradona é um tango humanizado, cheio de graça, cheio de drama.



Ao som de: Wavin’ Flag - K’Naan (música tema da Coca-Cola e da Copa)

2 comentários:

  1. Futebolísticamente falando, essa Copa me decepcionou muito. Como você mesmo disse, os craques sumiram e os grandes cairam... Mas a Copa da África é, sem dúvidas, memorável.
    Confesso até que senti falta do barulho das vuvuzelas quando assisti a um amistoso do Cruzeiro. Bom, não senti falta, estranhei a ausência. HAHA!
    A Copa na África foi um máximo! Só espero que traga bons frutos pro futuro do país e que os trabalhadores tenham sido pagos, haha!

    ResponderExcluir
  2. Ah. Que legal!
    Adorei o post. Tudo muito bem pontuado e tal.
    Não assisti a maioria dos jogos, então acho que não faltou nada, não.

    Sobre as abas no blog, na página de postagem tem a aba "criar página" é só clicar lá! :D

    Beijo

    ResponderExcluir

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.