quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Despretensioso, bizarro e incrível


No começo desta semana, baixei o novo (já nem tão novo) CD da Julieta Venegas, “Otra Cosa” e desde então estou viciado nele.
Confesso que sinto um pouco de medo quando um artista que gosto lança um novo álbum, pois já me decepcionei muito com isso. Acho que o maior erro que um artista pode cometer é fazer a sua arte pensando exclusivamente na opinião dos outros. Muitos artistas fazem trabalhos maravilhosos nos primeiros álbuns, quando ainda procuram seu espaço e não são tão conhecidos, mas perdem a mão nos álbuns seguintes, quando já há uma expectativa da crítica e dos fãs. As tentativas forçadas de agradar ou surpreender transformam a arte em produto e isso detona a qualidade de qualquer trabalho. Na minha modesta opinião, música boa é aquela feita com espontaneidade, sem muita pretensão, aquela que nasce no fundo da alma, no momento certo, onde a inspiração transborda.
Enfim, estou viciado em “Otra Cosa”, pois ele é assim, totalmente despretensioso.
Dando minha visão geral sobre ele, posso garantir que ele me diverte, me inspira. Julieta tem o dom de fazer músicas agradáveis, que colam na mente de quem escuta. É comovente ver que ela atinge o mercado internacional (é sucesso nos EUA) sem abandonar suas raízes latinas – a Shakira, por exemplo, hoje faz um som muito mais estadunidense do que latino. Sua música pode ser considerada pop, mas é temperada com um sabor latino (é tão bom ver o som do acordeom tão bem encaixado em algumas músicas).

Até o momento, minha música preferida é “Despedida”. A letra é curiosa, fala do rompimento de um casal, mas sugere que isso seja encarado de maneira mais positiva.

“Vamos a decirnos adiós,
Como se debe,
Sin rencor y sin duda de que,
Es lo mejor.
Vamos a brindar esta despedida,
Con la certeza de,
Haber vivido algo que nos cambió.”

Na verdade a música lembra que o final de um relacionamento às vezes é inevitável. Porém, a despedida não precisa ser amarga e rancorosa. Se você viveu uma grande história de amor que acabou não dando certo, é preciso lembrar que esse relacionamento proporcionou bons momentos, mudanças e aprendizado. O início da música é lento, mas o ritmo vai ficando mais animado e ganhando um tom mais positivo.

O clipe é totalmente surrealista, com imagens bizarras. Alguns fãs simplesmente odiaram, mas é preciso entender que Venegas pe uma artista sensível e cheia de imaginação. Como falar de algo tão complexo como rompimento e cantar que ele seja brindado sem ser um pouco estranho? Destaque para o momento em que ela aparece grávida – o bebê nasceu recentemente. Emocionante para fãs como eu.



Surreal né?

Deixo aqui a set list do CD, destaco em negrito as minhas favoritas se alguém tiver interesse em baixar. É uma pena que uma artista como Julieta Venegas ainda seja tão desconhecida no Brasil (apesar de seu recente sucesso nas rádios adultas com a música “Ilusion”, parceria com Marisa Monte). Infelizmente o nosso país tem pouco contato com a cultura musical Latina. A ironia é que a cultura Latina ama a música brasileira, Julieta inclusive é fã declarada de vários artistas daqui. Sorte deles, azar o nosso.




OTRA COSA (2010)

01. Amores Platónicos
02. Bien o Mal
03. Despedida
04. Debajo de Mi Lengua
05. Revolución
06. Otra Cosa
07. Original
08. Ya Conocerán
09. Duda
10. Si Tú No Estás
11. Un Lugar
12. Eterno
13. Bien o Mal (Remix)

2 comentários:

  1. Eu adoro posts sobre música.
    Amo conhecer artistas novos.
    Não conhecia Julieta Venegas e, confesso que não gostei muito.
    E essa parte: "As tentativas forçadas de agradar ou surpreender transformam a arte em produto..." me lembrou, denovo, uma música d'O Teatro Mágico, chamada Pena. :x

    Enfim, beijo

    ResponderExcluir
  2. Adorei a letra da música... me fez lembrar do post sobre "Ironias do amor" em que comentamos os 'finais felizes'. Legal e interessante!

    ResponderExcluir

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.