sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Por favor Mundo

Por favor mundo, torne-se menor. É angustiante saber que você é grande demais para mim. Meus pés são os únicos transportes gratuitos que conheço e eles não são suficiente para percorrer os seus caminhos. Há aviões, ônibus, trens, carros, mulas e barcos. Mas tudo é muito caro, com exceção da mula que dá uma dor nas costas impressionante.

Te suplico mundo, diminua. Não posso mais viver sabendo que existe tanta coisa que talvez meus olhos nunca verão diretamente. Experiências que talvez eu nunca tenha o prazer ou o desprazer de vivenciar.

Seria tão fácil se tudo fosse menor. Eu poderia fazer um safári na África do Sul; conheceria todos os segredos das pirâmides do Egito; Nadaria no Mar vermelho e deitaria no Mar Morto. Tomaria café em um fim de tarde em uma rua chique de Paris; Andaria de trem bala no Japão e ficaria com nojo, mas experimentaria alguma iguaria chinesa. Gritaria “Eco” no alto dos Andes; Faria apostas pequenas em Las Vegas; Tomaria Tequila em um bar mexicano sujo e andaria de camelo no Deserto do Saara. Faria, sem sucesso, aulas de Tango em Buenos Aires; Protestaria contra as touradas na Espanha; Admiraria as ruínas da Grécia; Andaria de balão na Turquia e pegaria um “jacaré” em uma onda australiana. Tiraria muitas fotos na Nova Zelândia; Faria um minuto de silêncio na Polônia; Rezaria no Vaticano; Refletiria no Taj Mahal; Atravessaria o Canal do Panamá e compraria, só por comprar, um charuto em Cuba. Seria voluntário no Haiti; Faria careta para as estátuas da Ilha de Páscoa; Andaria sem rumo em Jerusalém; Tomaria um chá na Inglaterra e um chopp na Alemanha. Faria uma piada sem graça em Pisa; Diria que “quem tem boca vai a Roma”; Falaria uma frase em russo em Moscou; Xingaria o Bush no Iraque; Compraria uma porcaria no Paraguia; Passearia calmamente no Uruguai; Assistiria um jogo do Barcelona; Usaria verde na Irlanda e conheceria cada canto do meu país (o que já é difícil pra caramba)... 

Mundo como podes ver, é injusto você ser tão grande. Que sensação ruim. Meu amor por ti é platônico. Te vejo, te sinto, te conheço, mas não te toco.

Por favor mundo, torne-se do tamanho dos meus sonhos.

Ao som de: Boulevard of Broken Dreams - Green Day

3 comentários:

  1. Onde eu assino, Fabio?
    Eu tenho TANTA vontade conhecer TUDO, chega a ser deprimente. :P
    E quando colegas colocam fotos de intercambio no Orkut? Quase morro!


    Beijo

    ps: vi sim que vc colocou as abas, que bom que conseguiu! :D

    ResponderExcluir
  2. Cara, eu aprendi a esperar muito do seu blog e de você, mas... você continua me surpreendendo cada vez que eu passo por aqui. Você sabe ser pronfundo, interessante, inteligente e articulado sem precisar ser sóbrio, chato ou fugir do casual para isso. Eu sempre digo que é o tipo de poesia casual que eu não nasci para fazer, que vem do próprio mundo, e não da cabeça de quem faz. E apela muito mais para quem lê, consequentemente.

    Parabéns pelo enorme talento, e também quero assinar embaixo... mundo, curve-se aos nossos sonhos!

    Abraço! :D

    ResponderExcluir
  3. Daqui há pouco o post se tornará um grande abaixo-assinado para que o mundo ouça essa súplica. (rsrs) Acho que não é necessário escrever nada além de "concordo plenamente com tudo que o Caio falou". Você escreve super bem e a gente senpre quer ler mais e mais. Boa semana, bjns.

    ResponderExcluir

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.