sábado, 9 de outubro de 2010

Os vilões invisíveis

Ontem estreiou a continuação de um dos maiores sucessos do cinema brasileiro: o filme TROPA DE ELITE. Há 3 anos atrás, o primeiro filme chocava a sociedade brasileira, ao apresentar o serviço do BOPE (Batalhão de Operações Especiais), o seu recrutamento e sua guerra diária contra a violência urbana. Mas o que mais chocou a opinião pública e deixou muita gente sem palavras foi uma denúncia que o filme expôs, uma verdade que ainda é muito ignorada pela maioria: quem patrocina o tráfico é a classe média alta.


Veja esta cena:



É meio cruel, mas eu adoro esta cena. Quando a vi no cinema senti várias emoções. A primeira foi uma macabra satisfação, depois uma raiva que se fosse traduzida diria “finalmente tiveram coragem de falar sobre isso”. Sim, eu gostei de ver o policial Mathias espancando o filhinho de papai. Melhor, adorei ele o fato dele fazer isso no meio de uma passeata de paz...
É claro que não me orgulho deste sentimento e nem quero que isso aconteça na vida real. Sou contra a violência e defendo o diálogo antes de qualquer coisa. Fiquei feliz, pois a cena certamente fez muita gente pensar, foi um soco no estômago de uma sociedade que julga sem analisar os fatos.
Os patrocinadores da violência
Antes de qualquer coisa, precisamos entender que vivemos dentro de um sistema. Isso nos coloca como uma engrenagem, onde nossas atitudes passam a ter conseqüências diretas e indiretas para o bom ou mal funcionamento deste sistema.
Na minha opinião, existem três motivos básicos para alguém usar drogas (são básicos, não únicos):

1) Ficar doidão – Algo que era comum nos anos 60. A paz era vista em várias cores graças às drogas. O consumo era um ato de rebeldia contra as ditaduras e guerras estúpidas. Usar drogas nessa época era romântico. O fato é que os hippies ou admiradores dos hippies não movimentavam um mercado clandestino violento. Hoje em dia as drogas são antônimos da paz. Quem consome droga promove a violência.

2) Pressão social – Tem gente que usa drogas porque o seu grupo de amigos usa e só aceita quem usar. Nas festas, essa pessoa vai no embalo da galera, pois não tem personalidade para dizer não e assumir uma postura. Acreditem, muitos usuários começam assim, como idiotas incapazes de dizer um simples NÃO.

3) Problemas – Este é o usuário que eu mais entendo, mesmo não concordando com ele. É o cara cheio de problemas, que para fugir da pressão se afunda nas drogas. Normalmente não tem condições de sustentar o seu vício e se torna perigoso, capaz de fazer qualquer coisa para pagar suas dívidas e consumir mais, inclusive roubar e matar.

Estes três perfis de usuários, apesar de ter motivações diferentes para consumir drogas, podem ser classificados como criminosos. Sim, porque dificilmente alguém planta maconha no seu jardim, porque ironicamente isso sim é considerado crime pelas nossas leis. Então esse usuário, seja ele quem for, precisa comprar a droga de alguém. Não importa se ele compra de um cara engravatado ou em uma boca de fuma na favela. A origem da droga SEMPRE é criminosa, ela sempre vai movimentar um mercado clandestino que muitas vezes envolve trabalho escravo ou soldados crianças. Um mercado que gera violência, porque a ação do tráfico não se limita à periferia. Toda vez que um grupo de jovens compra seu “inocente” baseado, ele está dando dinheiro para traficantes, patrocinando a compra de armas e incentivando a violência urbana. Lembram daquele menino que foi arrastado por um carro há 2 ou 3 anos no Rio de Janeiro? Pois é, podemos sim dizer que aquele crime horroroso começou na compra de um baseado. Por que não? O que fortalece as facções criminosas no Brasil e no mundo é o tráfico de drogas. Este é o sustento dos bandidos.
A ironia, que é muito bem apresentada no filme, é que quem faz o tráfico de drogas crescer é exatamente quem mais reclama da violência gerada por ele. Os maiores consumidores de drogas, os que enchem os bolsos dos traficantes são pessoas com boas condições de vida. São universitários, celebridades, profissionais de sucesso... Hipócritas!
Outro dia o Dado Dolabella foi pego com maconha. Esse cara acabou de ter dois filhos, será que ele não pensa neles ao comprar seu baseado? Sim, porque o dinheiro que ele deu será usado para comprar armas que irão colocar ameaçar a segurança dos seus filhos.
Pessoas como o Dado Dolabella, pessoas que certamente podem encontrar a felicidade através de meios mais saudáveis e menos nocivos, são as grandes patrocinadoras do tráfico, as grandes responsáveis por essa praga crescer e se tornar uma realidade cada vez mais difícil de ser controlada. O traficante é um bandido claro, seria um absurdo inocentá-lo. Mas você prende ou mata um traficante e logo aparecem 10 para ocupar o seu lugar. Motivo? Há um mercado que fabrica bandidos, um mercado que é estimulado por usuários vistos como inocentes...

Destaco dois trechos da música "O Bagulho é Doido" do MV Bill, que em poucas palavras resumem meu pensamento.


"A feira tá montada, pode vir comprar
Eu vendo uma tragédia
Cobro dos comédias
(...)
O bonde tá pesado e você tá achando graça
Tipo peste
Tá no sudeste, tá no nordeste, no centro-oeste
Teu pai te dá dinheiro
Você vem e investe
No futuro da nação
Compra pó na minha mão
Depois me xinga na televisão
Na seqüencia vai pra passeata levantar cartaz
Chorando e com as mãos sinalizando o símbolo da paz"

E a minha parte favorita

"Veja que ironia

Que contradição
O rico me odeia e financia minha munição
Que faz faculdade
Trabalha no escritório
Me olha como se eu fosse um rato de laboratório"

Mesmo com essa verdade escancarada, o Brasil insiste em combater um único vilão, aquele que surge no final do processo. O problema começa na diversão de quem chora no futuro. Quando a sociedade entender isso, talvez o problema acabe ou ao menos amenize.

Ao som de: O Bagulho é Doido - MV Bill (trilha do filme Falcão - Meninos do Tráfico)

Um comentário:

  1. Ainda não assisti o filme 2, mas o 1 já foi o máximo. Acho que o cinema nacional deveria fazer mais filmes desse tipo, pra acordar o povo, fazer todo mundo pensar, mesmo. Essa cena do filme (vídeo postado) mostra a verdadeira hipocrisia da nossa sociedade... as pessoas pedindo paz e reclamando da violência, ao mesmo tempo que a financiam. Tropa de Elite é um verdadeiro 'tapa na cara', um 'soco no estômago' de toda essa massa babaca, ignorante, acéfala. Parabéns, adorei o post!

    ResponderExcluir

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.