quarta-feira, 11 de maio de 2011

Canções de Liberdade

“Won't you help to sing
Another song of freedom? -
'Cause all I ever have:
Redemption songs
Redemption songs”

Há 30 anos atrás, Robert Nesta Marley deixava esse mundo para se tornar uma lenda. Sim, Bob Marley é muito mais do que um músico, muito mais do que o Rei do Reggae ou um ícone do que lutam pela legalização da maconha. Muito mais. Ele foi um homem que esteve à frente do seu tempo, um profeta que trouxe mensagens positivas e inspiradoras.

Poderia fazer um texto enorme exaltando as qualidades de Bob, celembrando a sua vida e a eternidade de suas mensagens (que até hoje fazem sucesso entre os jovens), mas vou me conter e analisar uma música: “Redemption Song”. Na primeira vez que a ouvi, senti algo especial, me emocionei, mesmo não entendo nada do que era dito. Por incrível que pareça, parecia que eu sabia o que era cantado, eu assimilava aquele desejo por uma “canção de liberdade”. Quando li a tradução um tempo depois, eu chorei.
Fico tentando imaginar a reação das pessoas quando a música foi lançada, na importância que ela teve para quem precisava de palavras pacificas e de esperança. Redemption Song também emociona pela simplicidade. É praticamente Bob e um violão, como se ele estivesse cantando só pra você.
Chama a atenção a mensagem principal de Redemption Song, e em como ela soa como profecia se pegarmos o cenário musical e social atualmente. A música fala em escravidão mental e na morte de profetas, assim como convoca o ouvinte a cantar canções de liberdade, de redenção. Vejo isso 30 anos depois. Sinto que a maioria dos profetas estão morrendo, que as pessoas estão escravas de um sistema mental e que faltam vozes para convocar canções de liberdade.

Ouça o rádio e você ouvirá muitas musicas fracas, com letras que exaltam o materialismo, a superficialidade e relacionamentos bobos. Não há profundidade, há apenas um desejo explícito de fazer sucesso agradando o público. É raro ouvir músicas que tragam mensagens sociais ou que falem de amor de um jeito sincero. Grande parte dos artistas que cantam coisas assim são ídolos do passado ou são caras renegados, que manifestam a sua arte longe das mídias de massa.

As canções de liberdade perderam espaço e isso se reflete na sociedade, pois música é uma das coisas mais expressivas que existem... Se as gerações atuais continuarem a receber e solicitar discursos vazios, teremos gerações cada vez mais anestesiadas, distantes da realidade. Gerações que serão incapazes de lutar pelo que é certo. Gerações que serão facilmente dominadas pelo sistema.

Por isso exalto Bob Marley, pelo diferencial que ele foi e que ainda é. Torço para que suas palavras sejam eternas e que inspirem, como já inspiraram, outros artistas a criarem canções de liberdade.



Positive Vibration pra todos.

Ta tocando no iPod: Jamming – Bob Marley

Um comentário:

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.