sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Mutualismo em primeiro lugar


AVISO: O texto abaixo é um desabafo feito de forma emocional. Contém palavras obscenas, pois eu não quis censurar o que estava sentindo. Se você se incomoda com isso, por favor, não leia.



Eu me sinto sozinho. Uma solidão triste e dolorosa, que me persegue quase todos os dias da minha vida. É um vazio sem fim, um desejo por algo que está tão distante, tão abstrato. Às vezes ela me atinge de forma cruel, me fazendo pensar coisas terríveis, que nem vale a pena citar. Pensamentos ruins, que estão se fortalecendo. É uma luta diária para afastá-los da minha mente.

Tentei solucionar isso de várias formas. Tentei ser quem eu não sou, tentei agradar os outros, tentei ignorar e até tentei curtir essa solidão. Já odiei, já entristeci, já fiquei quieto... 

 Há algum tempo resolvi que ajudaria os outros. Seria mais uma tentativa. Eu usaria minha solidão para uma boa causa. Quem é sozinho é analítico, tem grandes chances de entender as coisas, pois, na maioria das vezes, vê tudo de fora. Minha ideia era ouvir o problema dos outros, ser receptivo e, se fosse possível, tentar achar uma solução para esse problema. 

Modestamente, eu sou bom nisso. Eu sei escutar, sei falar boas palavras. Já ajudei muita gente. O problema é que eu cansei. E não pense que eu cansei de ajudar. Eu cansei de apenas ajudar. Quase nunca eu sou ajudado. Não que seja obrigação, mas eu espero um retorno. Neste ano eu vivi um dos piores momentos da minha vida, onde a solidão me espancou e sabe quantas pessoas quiseram me ouvir? Uma mão e ainda sobra dedos. 

A maioria das pessoas que eu ouvi, tá fudendo pro que eu to sentindo. O caso mais evidente foi de uma pessoa que quando eu disse que estava mal pelo fim do meu namoro, me respondeu como um “=/” e só. Foi clássico. Também foi o que me acordou. 

Cansei de ser depósito de problemas alheios. Eu já tenho  problemas suficientes para me preocupar. Então, assumo uma nova política, uma nova ação. Se você NUNCA ouviu os meus problemas, nunca se dispôs a isso, preste bastante atenção:

EU TO FUDENDO PROS SEUS PROBLEMAS!

É isso aí. Não vem com mimimi e choradeira que eu não vou mais ouvir. Se ouvir ainda vou rir da sua cara, ou vou elencar seus defeitos, como muita gente faz comigo. Eu quero mais é que você se foda. Na boa.
Cansei de amiguinho que faz coração e manda declarações, mas quando chega na hora do problema, se limita a mandar um emotion. É o melhor que você tem pra oferecer? Então some da porra da minha vida! Eu não preciso de você, não preciso de quem não faz diferença alguma pra mim. 

E isso vale também para os imbecis que perguntam “como você está?” e quando falo “mal”, somem.”Desculpa, tava ocupado”. Vai tomar no seu cu! Eu sempre parei tudo pra te ouvir. Mas eu sou eu. Eu me sinto bem em ajudar e vou continuar ajudando, mas vou dar prioridade para o mutualismo.

Eu prefiro ter uma ou duas pessoas que se importem realmente comigo do que um monte de fingido que me usa como psicólogo. Eu me importo com quem se importa comigo. Com a minha família, com meus amigos de verdade e com meus cachorros, que são mais fieis que muita gente. 

Não deixei de ser bonzinho, deixei de ser babaca.