sábado, 10 de março de 2012

Começo



Há exatos 8 anos, eu estava começando no meu primeiro emprego de carteira assinada: como Auxiliar de Vendas, no setor de Friamberia do supermercado Zaffari.

Quero contar essa história aqui, pois considero uma das melhores histórias da minha vida. É uma história de superação, de resistência, de dramas e de alegrias. Talvez não seja a história mais emocionante que você vá ler na vida, mas tenho certeza que de algum jeito ela vai tocar você.

Eu me formei no colégio em 2002. O ano seguinte surgia como uma incógnita pra mim. Eu não sabia o que queria fazer da vida. Não sabia que curso eu deveria fazer na faculdade. Aliás, eu nem sabia se queria entrar na faculdade. Passei 2003 pensando, decidindo. Digo que tirei um ano de férias (apesar de fazer um trabalho voluntário durante 3 dias da semana), mas foram umas férias tensas. Eu estava pressionado a definir o meu futuro.

2004 chegou e nada. Um dia meu pai me irritou quando me jogou na cara que eu não fazia nada. Decidi fazer. Indignado eu saí pra procurar emprego, coisa que deveria ter feito muito antes. Um amigo trabalhava no Zaffari e justamente na loja onde ficava o departamento de seleção. Um dia fui com ele com o meu mini-currículo na mão. Foi minha primeira entrevista de emprego e até hoje considero que foi a melhor que já fiz. Entrei inseguro, é verdade. No entanto, percebi que deveria ser natural, verdadeiro e confiante. Desde então sempre é assim que encaro uma entrevista de emprego. A entrevistadora me adorou. Lamentou eu não ter idade para trabalhar junto com ela, pois eu era inteligente demais para uma função tão manual. Antes de sair, ela me chamou e perguntou se eu tinha certeza de que era aquilo que eu queria. Respondi que sim, convicto. Em seguida ela fez uma previsão, dizendo que em breve eu sairia da empresa, pois acharia algo melhor e me deu um sorriso

O primeiro dia

Aí vai uma das partes mais legais da história. No meu primeiro dia eu tremia, meu pai disse que eu não duraria 2 semanas nesse emprego, pois não tinha o perfil para esse tipo de trabalho. Queria dar a resposta pra ele, mas temi que ele tivesse certo. Quase desisti nos primeiros 10 minutos. Minha primeira tarefa era levar 100 litros de leite em saquinho do caminhão para o freezer. Eu mal sabia manejar o “carrinho” e fiz isso todo atrapalhado. Quando cheguei no freezer a pilha de caixas com os saquinhos desabou e o chão encharcado de leite. Sim, no meu primeiro dia de trabalho eu dei um prejuízo pra empresa. Um dos funcionários me viu desesperado tentando limpar aquela sujeira e foi me ajudar, me acalmando e dizendo que era normal. Ele até criticou quem tinha me dado o serviço sem explicar. Esse seria um dos meus melhores amigos lá dentro, o cara que todos os dias ia falar comigo, fazer piadas e me ensinar algo novo.

Crescimento

O susto inicial foi ótimo para meu crescimento. A partir dali eu passei a fazer tudo com mais calma, observando sempre como os outros faziam. Se errava, tentava entender o erro. Pedia sempre explicações sem medo. Em pouco tempo eu fui pegando o serviço. Em 2 meses fui promovido. Fiz coisas que nunca me imaginaria fazendo. Carreguei toneladas de leite; Atendi clientes no balcão de frios (me tornei mestre em acertar a quantidade que o cliente pedia de primeira); Cortei bacalhau; Tomei iogurte escondido e outras coisas mais (meu café da manhã era uma caixa de Eskibom); Ganhei a chave da loja, sendo o responsável pela abertura e atualização dos preços. No quarto mês meu chefe fez uma reunião com o setor e disse que eu era o que mais tinha surpreendido ele. Que quando derrubei aqueles saquinhos de leite ele achava que eu ia embora rapidinho. Voltei pra casa e chorei nesse dia, feliz por ter calado a boca de tanta gente.

Lá no Zaffari eu ganhava uma miséria, trabalhava muito mais que 8h por dia, era xingado por clientes por nada, voltava pra casa cheio de dores e com um cheiro insuportável. Também lidava com pessoas simples, humildes e que não tinham muitas pretensões na vida. Eu tinha Aquilo ali era pouco pra mim, eu sabia. No entanto, saia de lá vitorioso, por ter agüentado mais um dia e por ter aprendido uma coisa nova. Ali eu deixei de ser um guri e me tornei um homem. Lidei com problemas novos, vivi experiências inesperadas. Em 5 meses cresci mais do que nos 15 que fiquei me decidindo o que ia fazer na vida. Me transformei.

O fim

O começo do fim foi estranho. Eu cheguei pra trabalhar às 7h como sempre e meu chefe só me liberou pro almoço às 13h, depois de pessoas que chegaram às 10h. Lembro que estourei. Dei um soco na parede e respondi pra ele que eu não era escravo. Estava de saco cheio, no limite mesmo. Naquele mesmo dia meu pai foi até a loja e me disse que tinham ligado pra casa pra dizer que eu fui aprovado num novo emprego. Fiquei eufórico, lembro que saí pulando pro depósito, parecia um louco. Eu estava louco!

No dia seguinte anunciei que ia sair, que trabalharia mais dois dias. Contei pra todo mundo que ia trabalhar num escritório, com cadeira, ar condicionado e ganhando três vezes mais. Eu teria benefícios! Ninguém me invejou, muito pelo contrário. Todos desejaram sorte. Meu chefe tentou me convencer a ficar. Ele lamentou muito a minha saída, apesar da minha revolta do dia anterior.

Meu último dia foi triste. Eu estava muito feliz por estar saindo dali, mas sentia que deixava algo importante pra trás. E deixava mesmo. Deixava meu primeiro emprego, o primeiro lugar que me disse "sim". Também deixava amigos, pessoas que nunca mais iria ver na vida, mas que marcaram a minha história. Encerrava ali um capítulo importante, que irei contar para meus filhos e netos, principalmente quando eles chegarem na idade de decidir o que fazer na vida.

Saí de lá agradecido, pela porta da frente, feliz por estar indo pra algo melhor e não desistindo como muitos apostaram. Antes de olhar pra trás, pela última vez (só voltei lá 5 anos depois), lembrei da profecia da mulher do RH. Sorri ao perceber que ela tinha razão.

Ao som de: Eu quero sempre mais - Ira e Pitty (tocava muito nessa época)
  

Um comentário:

  1. me identifiquei em partes com a sua história,só que eu não fui tão feliz o quanto você,na verdade eu fui um idiota

    ResponderExcluir

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.