sábado, 16 de novembro de 2013

Peru - parte 6 : Um brinde de Inca Kola



A soneca recarregou um pouco da minha energia. Eu ainda estava com muita fome e sede e só tinha meia barra de um chocolate pequeno.  Lá é proibido comer, mas acho que um quadradinho de chocolate não me torna um fora da lei, né? A água tinha acabado, recomendo pelo menos duas garrafas, eu só levei uma. 

Mas eu estava feliz demais pra deixar a fome e a sede me pararem. Passando pelos grupos, notei que os guias contavam versões diferentes da mesma história, por isso comecei um tour por conta própria pelo sítio. Achar meu guia ia me atrasar demais e não ia me acrescentar muita coisa. Eu tinha lido bastante sobe Machu Picchu e isso foi essencial para eu otimizar meu tempo e seguir um caminho lógico. No caminho encontrei Lhamas e foi meu primeiro contato mais próximo com elas. É um animal bem dócil, mas tinha muita gente ao re


Depois de perambular pelos templos e vilas, estava chegando a hora do grande momento: a vista clássica de Machu Picchu. Aquela que rende a foto inesquecível, com Huayana Picchu no fundo. Para isso, é preciso subir um morro. Bem mais leve que a subida anterior, mas mesmo assim cansativa.

E a fome e a sede aumentavam.

Pedir pra pessoas tirarem foto de você gera situações inusitadas. Um casal peruano estava tirando fotos quando o cara foi bem simpático comigo e se ofereceu a tirar foto minha. O problema é que ele não conseguia tirar a foto! Ele ficava nervoso com a minha câmera, mas tentou muitas vezes em vão tirar uma foto até que a companheira dele foi lá e mostrou. Esperei eles irem pra outro lado pra pedir pra outras pessoas tirarem fotos minha, pois eu tinha ficado com uma cara de preocupado nas que eles tinham tirado...

Apreciando as minhas fotos clássicas eu escuto um “Fabiooo, Fabiooo”. Eram meus amigos mexicanos, que eu tinha conhecido no dia anterior.  Fiquei muito feliz de ver eles, já que achei que nunca mais veria. Aproveitei pra tirar mais fotos, claro, e pra tomar a água que eles traziam. Subimos ao topo do mirante para ver a vista mais completa de Machu Picchu.

Andar por Machu Picchu exige no mínimo umas 4 horas – sem contar Huayna Picchu. Eu recomendo ir CEDO, nos primeiros ônibus como eu fiz. Eu vi uma galera subindo depois, e é pela tarde que o sítio fica lotado. Além disso, ir cedo te libera cedo. Dá pra curtir o vilarejo de Machu Picchu ou pegar o trem de dia pra voltar pra Cusco.

Meus amigos mexicanos e eu resolvemos voltar para o vilarejo às 14h. Fiquei um pouco com o pé atrás de deixar Machu Picchu, mas a fome era demais e eu já tinhas explorado tudo. Na saída dá pra você carimbar seu passaporte com um carimbo exclusivo de Machu Picchu, não deixe de carimbar o seu!

Machu Picchu Pueblo é mais divertido à noite, quando parece ter mais vida, mas não deve ser ignorado durante o dia. Tem uma variedade incrível de restaurantes e as suas ruelas são tomadas por pessoas do mundo todo. A quantidade de restaurantes mexicanos ou que oferecem pratos mexicanos é impressionante. Meus amigos queriam matar a saudade do país – eles estudam e moram atualmente no Chile. Fomos no mais barato, que não era bom nem ruim, era suficiente.

Depois de matar a fome, era hora de matar a sede com o melhor refresco do Peru: Inca Kola! Vou lembrar pra sempre daquela tarde onde sentamos na frente da igreja, tomamos Inca Kola e conversamos sobre as coisas dos nossos países. Eles ficaram tentando decorar uma letra do Exaltasamba que cantei pra eles “Tá vendo aquela lua que brilha lá no céu...”, foi bem engraçado.

Perto das 18h eu me despedi. O trem da volta não teve a mesma emoção, já que era noite

Em Ollantaytambo, uma nova surpresa. O transfer que eu tinha pago estava lotado e o cara me passou para outro veículo, uma van com cara de clandestina. A viagem foi uma das piores da minha vida! O cara voava na estrada, ultrapassando como se não houvesse amanhã.  Já falei que os peruanos dirigem meio mal, né?  Só senti alívio quando ele parou no Centro de Cusco e disse “llegamos”. 

Era tarde e eu precisava voltar pro hostel. Em poucas horas eu começaria a parte mais cansativa da viagem, onde percorreria por 6 dias a parte sul do país e iria até a Bolívia. 

No próximo post vou falar sobre a zona do Titica, Puno e Copacabana (Bolívia).

Lhama!
Brincando de tirar foto sozinho
 
Templo do Sol

Subindo pra ver a melhor vista de Machu Picchu

Cidadela de Machu Picchu

Mais um pedaço da cidade

Seria uma foto legal se a moça não tivesse no meio


A clássica!

Na entrada de Machu Picchu

Machu Picchu Pueblo
Inca Kola e um momento inesquecível!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por estar aqui.
Comente! Afinal este espaço também é seu.